REFAZ 2017

REFAZ 2017

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Fernandinho Beira-Mar e Marcinho VP no Fantástico

Conversa aconteceu no dia dez de maio, no presídio de segurança máxima de Catanduvas, no Paraná.

Atual7

Uma conversa entre os traficantes Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e Marcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, do dia 10 de maio deste ano, no presídio de segurança máxima de Catanduvas, no Paraná, revelou um suposto envolvimento de um desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão na transferência de presos para o Estado.

Fernandinho Beira-Mar na articulação
 
De acordo com reportagem do programa Fantástico deste domingo (11), separados por um vidro e usando telefones, os traficantes, que pertencem à mesma facção criminosa, conversaram sobre uma tentativa de transferência para um presídio estadual. A transferência seria de Marcinho VP.
Segundo o áudio obtido pelo Fantástico, Beira-Mar dá força ao outro traficante, se referindo a outro preso que também quer vir para o Estado: ‘o que eu penso, você saindo daqui para um estadual, já é uma vitória, de lá você consegui ir para outro lugar igual o Baby…O Baby não, o Dinho está tentando ir para o Maranhão.
Marcinho VP, então respondeu que estava fazendo a mesma coisa: ‘eu também estou com um ‘corre’ no Maranhão também, minha advogada está fazendo…’.
Sem citar o nome do suposto magistrado, Beira-Mar revelou que pode ajudar, por meio um desembargador do Estado, que seria amigo de outro traficante: ‘No Maranhão eu tenho fortíssimo lá, um desembargador que era amigo do Tular…’
‘Sei, mas também tem outras pessoas que estão vendo a vaga pra mim lá’, respondeu VP.
Na conversa, os traficantes citaram ainda o pastor Marcos Pereira, líder da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, como quem também poderia auxiliar Marcinho VP a ser transferido para o Maranhão.
Atual7 tentou contato com o secretário de Estado da Segurança Pública, Aluísio Mendes, para comentar sobre o assunto. Até a publicação desta matéria, porém, Mendes não foi encontrado. A reportagem aguarda ainda posicionamento oficial do Tribunal de Justiça do Maranhão, que também foi contactado

Nenhum comentário:

Postar um comentário