terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Acusados de mandar matar Fábio Brasil estão depondo em Teresina

Audiência acontece agora no Tribunal do Júri

Três acusados de matar o corretor de veículos Fábio Brasil, assassinado em março deste ano na Avenida Miguel Rosa, zona sul de Teresina, foram trazidos do Maranhão para prestar depoimentos no Tribunal do Júri de Teresina.
Gláucio Alencar Pontes Carvalho, empresário; o policial militar do Maranhão Fábio Aurélio Saraiva Silva, mais conhecido como Fábio Capita, e José Raimundo Sales Júnior, vulgo Bolinha; estão neste momento na primeira audiência de instrução e julgamento, presidida pelo juiz Antônio Noleto, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Teresina.
Os três acusados pelo homicídio doloso já se encontram no plenário e estão acompanhados de seus advogados. Gláucio Alencar é assistido pelos advogados Nazareno Thé e Bruno Carvalho.
O responsável pela acusação é o promotor de Justiça Benigno Filho, titular da 13ª Promotoria. Além desses acusados, ainda há outros três (José de Alencar Miranda de Carvalho, pai de Gláucio e preso no MA; Elker Farias Cardoso, preso em presídio federal em MG; e Jonathan de Sousa Silva, preso em penitenciária federal no (MS) no mesmo processo pela morte de Fábio Brasil, que se encontram presos nos estados de Minas Gerais, Maranhão e Mato Grosso do Sul, mas não foram trazidos para a audiência.
Segundo o advogado de defesa Nazareno Thé, os demais acusados não foram trazidos por uma falha do Estado. "O Estado não se organizou e deixou de trazer os demais acusados. Houve uma falha do Estado, já que todos têm direito de ampla defesa. Nesse caso, vamos pedir a nulidade da audiência porque deve acontecer com a presença de todos. Dessa forma, vemos uma ilegalidade nesta sessão", comenta o advogado.
O caso Fábio Brasil está ligado ao assassinato do jornalista Décio Sá, ocorrido na Avenida Litorânea, em São Luis (MA). Os acusados pela morte do piauiense são os mesmos que respondem pela execução do jornalista maranhense.

Do: Portal O Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário